Buscar
  • Ursula Rösele

****

Antes do blog para o Antônio, tive outro, “Poemas e Filmes”. Há dez anos atrás. Postava de forma muito espaçada, nos anos de 2008 e 2009. Aos poucos vou peneirando o que ainda acho que pode ser legal de retomar.


O esboço (20 de agosto de 2008):


Livrar-se da primeira pessoa, seria, talvez, o primeiro passo. Nessa sensação esquisita de dizer sempre as mesmas palavras, da mesma forma, como se além da forma e do texto e da leitura e aprendizado, persistisse uma ideia recorrente de um ser imutável..

Mergulhar nas profundezas do fim do poço. Encarar o espelho.


****


Estou forçando um bom texto. Não há.


****


Deusdete acordava todos os dias com ou sem o choro do neném. Pela janela do barracão, um bando de prédios amontoados. Ela tinha seu varal e dois tomates no jardim. No almoço de ontem comeu sozinha, desligou a TV, o menino estava dormindo. Existe Deus. Está, ao menos, em seu nome.


****


Péricles Júnior jogava meus lápis de cera no chão, meus salgadinhos, o que quer que eu segurasse. Eu chorava. Péricles ria. Jamais passou pela minha cabeça questionar como um Péricles poderia rir-se de mim. Seus cabelos eram bem negros, lisos, rostinho de menino que, no fundo, no fundo, subia no colo da mãe com medo de barata. Não sei se preferia Nescau ou Toddy. Eu prefiro Toddy, sem sombra de dúvida.


****


De novo a primeira pessoa. Pessoa primeira seria a do ventre? Saí, a contragosto. Ando executando peripécias internas e estrondos externos na ideia desenfreada de encontrar-me, quem sabe, lá pela 17ª pessoa. Ainda com reticências, que, apesar da inconsistência do português, me aprazem mais (por enquanto)...

61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quarentena em devaneio – vinte e dois deles

#22 Um sinal A matéria mesma de um sonho idílico. Película, tinta, todo um painel repleto de flores brancas, rosas e azuis. Passou as mãos ali, seus olhos ainda fechados. Sentiu as pétalas, deixou de

Quarentena em devaneio – vinte e um deles

#21 Os pés dentro d´água A cabeça debaixo dela As mãos ondulam um balé por entre os dedos Molhados Deixa o jorro de vida transpassar seu corpo todo Permitindo sentir, com o escorrer em si, cada curva

Quarentena em devaneio – vinte deles

#20 Antônio vai embora nas quintas às 17:30. O coração aperta. Deixo de pertencer às suas narrativas, mesmo que ele não saia de mim um segundo sequer. Passei raspando, pertinho de ceder. Deitada, olha

©2018 by Escrevo, que meu sanar é água. Proudly created with Wix.com