Buscar
  • Ursula Rösele

Há de florescer

Umas flores cismam

Se é água, se não

Se eu com elas falasse

Senão


Umas florescem, outras fenecem

É sábado.


Uma triste melodia goteja no ar

As fantasias, as fantasias

Rememoro narrativas, reinvento imaginários

A utopia da elipse, o virar da página


A hipocrisia de um tempo que não quer passar


Há flores que... se erguem

Outras não


As primaveras passam e segue inverno aqui dentro

Minha imagem envelhece


Fingimos, fingimos

Que mal há em falsear se o real me escapa sempre que olho lá fora


Sem lugar para a cena

Sem espaço

A-cena, aceno


Eu esvaio

Como algumas flores

Outras não


Despetalada, desinibida, desinformada

Sem forma

Disforme


Em silêncio, calada, cerro meus olhos

Os sonhos que outra sonha pra mim


69 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quarentena em devaneio – vinte e dois deles

#22 Um sinal A matéria mesma de um sonho idílico. Película, tinta, todo um painel repleto de flores brancas, rosas e azuis. Passou as mãos ali, seus olhos ainda fechados. Sentiu as pétalas, deixou de

Quarentena em devaneio – vinte e um deles

#21 Os pés dentro d´água A cabeça debaixo dela As mãos ondulam um balé por entre os dedos Molhados Deixa o jorro de vida transpassar seu corpo todo Permitindo sentir, com o escorrer em si, cada curva

Quarentena em devaneio – vinte deles

#20 Antônio vai embora nas quintas às 17:30. O coração aperta. Deixo de pertencer às suas narrativas, mesmo que ele não saia de mim um segundo sequer. Passei raspando, pertinho de ceder. Deitada, olha