Buscar
  • Ursula Rösele

Quarentena em devaneio - seis deles

#06

Das frases: "não posso, porque": tenho uma reunião online do trabalho; tenho que dar aula; tenho que preparar aula; tenho que responder emails do trabalho; a aula tá boa, não tá boa, tem que aprender a dar aula online, diversifica, encanta, se vira. Ninguém ligou o vídeo, tô lá eu falando pra uma pá de quadrado preto. Minha cara tá redonda, branca igual a parede. Espera, filho, já vou. Agora não posso. Não posso. Juro que eu queria, mas não posso. Tenho que arrumar a cozinha, a cozinha; pois é filho, os alienígenas passaram outra vez, olha a pia. Tenho que lavar roupa, fazer almoço, varrer, vem cá, lava a mão. Fome, de novo, filho? / Vamos. Vamos brincar. Sim, vamos jogar dominó, vamos lavar o banheiro? Ajuda a mamãe? Vamos. Pega as tintas. Desenho? Pode. Pode. Pode./ Da maternidade: filho, para de fazer avião de papel, têm 68 espalhados no chão da sala. Antôniooo, pelo amor de Deus, dá descarga. Antônio! Filho! Vem cá, sô, tô te chamando. Antônio, desliga a TV. Filho, chocolate de novo? Antônio, para de morder a almofada. Anda, vão tomar banho. Antôooonio! Filho, são dez horas da noite, vamos dormir, mamãe trabalha amanhã cedo. Antônio, para, por favor. Também te amo. Mais que a vida inteira. Vem "culim". Tá, vamos ouvir música. Sossega, filho. Boa noite, mãe tá aqui. / Dos silêncios da mente: cansada..por quê não consigo dormir quando a noite vem? Os livros, os filmes, os cômodos para arrumar. Preciso. Coma bem, tome sol, respira, hora de meditar, medita, exercita esse corpo, vibra alto, isso, aproveita pra descansar, olha pra dentro, cuida de si, conecte-se com o seu interior, vai. Ommm nascer do sol, olha a vitamina D. Mude os hábitos, ignora as notícias, leia as notícias, milita, rebela, reage, seduz, se aceita, cocria. Escrever, planejar, e amanhã? Preguiça, meu Deus. Saudade, puta que pariu. Saco. Amanhã eu faço. Nossa, que vontade de dormir um mês.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quarentena em devaneio – vinte e dois deles

#22 Um sinal A matéria mesma de um sonho idílico. Película, tinta, todo um painel repleto de flores brancas, rosas e azuis. Passou as mãos ali, seus olhos ainda fechados. Sentiu as pétalas, deixou de

Quarentena em devaneio – vinte e um deles

#21 Os pés dentro d´água A cabeça debaixo dela As mãos ondulam um balé por entre os dedos Molhados Deixa o jorro de vida transpassar seu corpo todo Permitindo sentir, com o escorrer em si, cada curva

Quarentena em devaneio – vinte deles

#20 Antônio vai embora nas quintas às 17:30. O coração aperta. Deixo de pertencer às suas narrativas, mesmo que ele não saia de mim um segundo sequer. Passei raspando, pertinho de ceder. Deitada, olha