Buscar
  • Ursula Rösele

Quarentena em devaneio - três deles

Percebam, aos poucos, a mudança sensorial do mundo. Ruas vazias, poucos corpos reconhecíveis, o mundo “ao vivo”, o amor na live, a saudade do que estava logo ali, o tempo inteiro. Vão lá, no discurso final de Chaplin (Hynkel) em “O grande ditador”. Na última sequência de “Glória feita de sangue”, de Stanley Kubrick. Vão às poesias. Parem, ouçam. Ouçam. Bach, John Lennon, Clara Nunes. Olhem nos olhos de uma criança e vislumbrem um passado inteiro, mais longo que os corpos delas. A sabedoria do pouco saber. Do pouco querer. Do pouco almejar. A alegria com os tupperwares, a celebração ao ver cachoeiras, o acalentar na voz serena. O desejo do regaço, do beijo, do sorriso sem álcool gel.

Do pó vieram e ao pó retornarão. Retornaremos. Sempre bom lembrar. (Ursula Rösele – BH, 24/03/2020)

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quarentena em devaneio – vinte e dois deles

#22 Um sinal A matéria mesma de um sonho idílico. Película, tinta, todo um painel repleto de flores brancas, rosas e azuis. Passou as mãos ali, seus olhos ainda fechados. Sentiu as pétalas, deixou de

Quarentena em devaneio – vinte e um deles

#21 Os pés dentro d´água A cabeça debaixo dela As mãos ondulam um balé por entre os dedos Molhados Deixa o jorro de vida transpassar seu corpo todo Permitindo sentir, com o escorrer em si, cada curva

Quarentena em devaneio – vinte deles

#20 Antônio vai embora nas quintas às 17:30. O coração aperta. Deixo de pertencer às suas narrativas, mesmo que ele não saia de mim um segundo sequer. Passei raspando, pertinho de ceder. Deitada, olha